Portal de Notícias Demonstrativo - Sua fonte de notícias na cidade de ...

Quarta-feira, 17 de Abril de 2024

Notícias Economia

STF decide pagar piso da enfermagem para funcionários públicos

Corte formou maioria para o piso na tarde desta 6ª feira; André Mendonça acompanhou o relator, ministro Roberto Barroso

STF decide pagar piso da enfermagem para funcionários públicos
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

 

 

 

 

 

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu na noite desta 6ª feira (30.jun.2023) liberar o pagamento do piso da enfermagem para funcionários públicos. A Suprema Corte já havia formado maioria com entendimento da ministra Cármen Lúcia, que votou para referendar a decisão do ministro Roberto Barroso que restabeleceu o pagamento do piso da enfermagem. O último voto no plenário virtual foi o do ministro André Mendonça, na noite desta 6ª feira (30.jun). Assim como Cármen Lúcia, Mendonça também acompanhou Barroso, relator da ação. Dessa forma, o piso da enfermagem foi aprovado para o setor público. 

Barroso havia decidido barrar outros pisos de categorias e determinaram uma negociação coletiva prévia no setor privado antes da implementação do piso da enfermagem visando a evitar demissões em massa.

Em maio, o relator aprovou o piso sob critérios. Dentre eles, está a determinação de que o pagamento deve ser feito por Estados e municípios dentro dos limites dos repasses da União. Barroso despachou sobre o caso mais uma vez e disse que o piso da enfermagem só poderia ser atendido da seguinte forma: funcionários públicos federais – o piso deve ser aplicado de maneira integral com reajustes da seguinte forma.


funcionários públicos federais – o piso deve ser aplicado de maneira integral com reajustes dos salários de acordo com o estabelecido pela lei 14.434/2022; funcionários públicos dos Estados, do Distrito Federal e de autarquias dessas instâncias e de entidades privadas que atendam, no mínimo, 60% de seus pacientes pelo SUS (Sistema Único de Saúde) – nesse caso, o piso salarial só será aplicado até quando os recursos fornecidos pela União, de R$ 7,3 bilhões, atendam aos pagamentos; e funcionários da iniciativa privada contratados por meio da CLT(Consolidação das Leis do Trabalho) – o piso salarial da enfermagem deve ser aplicado como definido pela lei 14.434/2022, exceto se houver convenção coletiva que estabeleça outros valores levando em conta “a preocupação com demissões em massa ou comprometimento dos serviços de saúde”.

O ministro Edson Fachin discordou parcialmente do relator na questão que trata do pagamento de funcionários das redes privada, estadual e municipal. Ele defende que o acerto seja feito nos moldes da Lei 14.434 de 2022.

A presidente da Corte, ministra Rosa Weber, acompanhou o voto. Já o ministro Dias Toffoli determinou que trabalhadores do setor privado recebam o piso respeitando as regras de cada Estado e por meio da negociação entre patrões e trabalhadores.

O voto foi acompanhado pelos ministros Alexandre de Moraes, Luiz Fux e Nunes Marques. Eis o resultado da votação: 4 votaram pela negocentre patrões e trabalhadores. O voto foi acompanhado pelos ministros Alexandre de Moraes, Luiz Fux e Nunes Marques....

Eis o resultado da votação: 4 votaram pela negociação coletiva no setor privado: Roberto Barroso (relator), Gilmar Mendes, Cármen Lúcia e André Mendonça; 2 votaram pelo pagamento imediato do piso para todas as categorias: Edson Fachin e Rosa Weber; e 4 votaram pela regionalização do pagamento do piso: Dias Toffoli, Alexandre de Moraes, Luiz Fux e Nunes Marques....

AMPLIARÁ DESIGUALDADE A implementação do piso nacional da enfermagem afetará de forma mais dura municípios do Norte e Nordeste –regiões que já têm mais dificuldades em manter e ampliar suas estruturas de saúde tanto no setor público.

Como a diferença entre a média salarial atual e os valores do piso é maior nessas regiões, o impacto financeiro para adequar os salários será muito maior para os órgãos públicos e para as empresas.

O impacto será desproporcional também nas contas dos hospitais e instituições de saúde. No Estado de Sergipe, a previsão é de crescimento de 40% nas despesas com pessoas na saúde, em comparação com uma média nacional de 2%.

Na esfera municipal, as cidades do Amapá serão as mais impactadas, com aumento de 20% nas despesas contra a média nacional de 4%. Esses números são reflexo principalmente da diferença da média salarial dos Estados em relação aos valores do novo piso.

 A lei aprovada pelo Congresso estabelece o piso de R$ 4.750 para os enfermeiros. Determina também que os técnicos da categoria recebam 70% desse valor (R$ 3.325) e auxiliares e parteiras, 50% (R$ 2.375)....

Comentários:

Veja também